Seguro-desemprego: pedidos disparam e sobem 76% na primeira quinzena de maio

22/05/2020

Neste ano, as requisições para o benefício aumentaram 9,6%

Os pedidos de seguro-desemprego dispararam na primeira quinzena de maio. Até agora, 504.313 trabalhadores solicitaram o benefício. O número representa uma alta de 76,2% em relação ao mesmo período do ano passado (286.272) e de 4,9% na comparação com a segunda quinzena de abril deste ano (480.848).

No período, os três estados com maior número de requerimentos foram São Paulo (149.289), Minas Gerais (53.105) e Rio de Janeiro (42.693). Os números foram divulgados nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia .

O ministério destacou também o aumento de 58,7% das requisições feitas presencialmente em relação à segunda quinzena de abril. Isso é explicado, segundo o governo, por um decreto presidencial que definiu as atividades de processamento do seguro-desemprego como essenciais, o que contribuiu para a retomada do atendimento presencial.

No acumulado de janeiro até agora, foram contabilizados 2.841.451 pedidos de seguro-desemprego, na modalidade trabalhador formal . Isso representa um aumento de 9,6% em comparação com o acumulado no mesmo período de 2019 (2.592.387).

O governo estima que até 250 mil pedidos ainda possam ser realizados. Os requerimentos podem ser feitos de forma 100% digital e não há espera para concessão de benefício.

As solicitações de acesso ao seguro-desemprego se tornaram um dado importante para saber o impacto causado pela pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no mercado de trabalho.

Um dos fatores que dificultam o debate sobre os rumos do mercado de trabalho diante da pandemia é a ausência de dados estatísticos. A última divulgação do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados ( Caged ), que mensura o nível de emprego com carteira assinada, foi divulgada em janeiro com dados relativos a dezembro.

Desde então, o indicador não foi mais atualizado em razão de mudanças feitas no sistema e porque as empresas enfrentam dificuldade de repassar as informações no meio da pandemia.
O IBGE , que produz indicadores sobre o mercado de trabalho como um todo, que inclui trabalhadores com direitos trabalhistas e informais, enfrenta dificuldades para fazer o levantamento após a suspensão da coleta presencial de dados em razão da pandemia. Em março, a taxa de desemprego subiu para 12,2%, atingindo 12,9 milhões de trabalhadores.

Como O GLOBO revelou na semana passada, o Ministério da Economia estima que o Brasil deve encerrar o ano com perda de 3 milhões de postos de trabalho formais.

Fonte: Brasil Econômico

Voltar
Seja um de nossos afiliado

Seja um de nossos afiliado

Faça parde do nosso sindicato!

Quero me Filiar

Cadastre seu e-mail

E comece a receber as notícias semanalmente direto no seu e-mail!

Previsão Orçamentária

O Sindicato dos Bancários de Tubarão e Região disponibiliza o acesso do planejamento das atividades financeiras da entidade para conhecimento de todos.

Veja
Notícias

Notícias

Em notícias você terá um canal sempre atualizado com informações de seu interesse.

Veja
Institucional

Institucional

Um sindicato atuante, bem estruturado, é a demonstração clara de uma categoria bem organizada e unida, fortalecida para os conflitos naturais que se estabelecem na relação entre capital e trabalho.

Veja