FGTS: nova lei promete liberação imediata para demitidos

22/05/2024

Reforma nas regras do FGTS pode beneficiar trabalhadores demitidos.

O Ministro do Trabalho, Luiz Marinho, anunciou uma proposta ousada que visa reformar as regras de retirada do saldo do FGTS para beneficiar aqueles que foram demitidos.

A reforma, embutida em um projeto de lei, permitiria a retirada imediata do saldo do FGTS para os aderentes do saque-aniversário no momento da demissão.

Atualmente, a modalidade de saque-aniversário permite ao trabalhador o acesso ao seu FGTS apenas no mês de seu aniversário, com a possibilidade de antecipar saques em forma de empréstimo.

No entanto, isso implica que o saldo completo não está disponível imediatamente em caso de demissão sem justa causa, sendo liberado apenas após dois anos. Luiz Marinho propõe uma mudança significativa que acabaria com esta restrição.

Por que a mudança nos saques do FGTS é importante?
“Não vou sossegar enquanto não resolver essa questão”, afirmou Marinho, destacando a importância de permitir que o trabalhador demitido tenha acesso imediato ao seu FGTS.

Esta medida não apenas flexibiliza o acesso ao fundo, mas também se alinha com novas políticas para facilitar créditos consignados com juros mais baixos, promovidos pelo Ministério da Fazenda.

Qual o impacto da proposta para o trabalhador?
A nova política proposta por Marinho pode transformar significativamente o cenário para o trabalhador brasileiro, permitindo-lhe maior liberdade e segurança financeira no momento da demissão.

Além disso, alia-se a uma reformulação do sistema de crédito consignado que visa democratizar e baratear o acesso ao crédito para os trabalhadores do setor privado.

Imediata acessibilidade ao FGTS – em caso de demissão, o trabalhador poderá retirar todo o saldo sem espera.

Crédito mais acessível – com a reformulação do crédito consignado, espera-se que os juros sejam reduzidos e as condições melhoradas.

Flexibilidade financeira – maior controle sobre os próprios recursos financeiros em momentos críticos.

Desafios e perspectivas futuras
Apesar do otimismo de Marinho, a proposta enfrenta resistência de bancos e setores da economia que são beneficiados pelo modelo atual.

A mudança exigirá negociações delicadas e o consenso no Congresso, onde a medida original foi aprovada em 2019.

A eficiência e a aceitação da proposta serão decisivas para determinar se a visão do ministro se transformará em realidade para os trabalhadores brasileiros.

Enquanto a proposta avança, o futuro do FGTS e do acesso ao crédito para milhões de trabalhadores brasileiros permanece em foco, prometendo impactar significativamente a economia e a vida financeira do trabalhador.

As próximas semanas serão cruciais para observar como essa proposta evoluirá no palco político e econômico do Brasil, com implicações profundas para a segurança financeira e a mobilidade econômica dos trabalhadores.

Fonte: O Antagonista

Voltar
Seja um de nossos afiliado

Seja um de nossos afiliado

Faça parte do nosso sindicato!

Quero me Filiar

Cadastre seu e-mail

E comece a receber as notícias semanalmente direto no seu e-mail!

    Política de Privacidade

    Quem somos Olá somos o Sindicato dos Bancários de Tubarão e Região, o endereço do nosso site é: https://www.bancariostb.com.br. A privacidade dos usuários em nosso site  é uma prioridade e responsabilidade do Sindicato dos Bancários de Tubarão e Região e nessa Política de Privacidade esclareceremos como serão tratadas suas informações. Ao acessar o site do […]

    Veja
    Convênios

    Convênios

    O Sindicato dos bancários oferece uma série de serviços para os associados. Os interessados devem procurar a secretaria e realizar seu cadastro para dispor dos convênios firmados com diversos estabelecimentos e obter descontos.

    Veja
    Denuncie Assédio Moral

    Denuncie Assédio Moral

    O programa de combate ao assédio moral é uma conquista dos trabalhadores após grande mobilização na Campanha Nacional Unificada 2010. Trata-se de um acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho que tem adesão voluntária tanto dos bancos quanto dos sindicatos.

    Veja